[Infográfico] 7 dicas essenciais de como construir e organizar conteúdos eficazes para websites

Você quer produzir ótimos conteúdos para websites? Então conheça a história de Joana

Você que trabalha como Designer, principalmente para web, já precisou produzir conteúdo para o cliente? Pode ser que não…

Talvez a empresa em que trabalhe disponha de uma equipe de Arquitetos ou Webwriters que definem como será  o conteúdo e também sua organização.

Talvez até os clientes disponibilizem o conteúdo. Mas nem tudo é sempre tão perfeito assim, não é? Você pode ser um faz tudo, um Freelancer .

Portanto, caso um dia você se veja numa posição que além de criar o site, simultaneamente você ter que assumir o papel de redator, seria bom você conhecer, antes, estas sete dicas para construir conteúdos para sites. Aceita o convite? Para isso, que tal conhecer a história de Joana?

Antecipo então que durante o desenrolar desta história você entenderá sobre:

Então aproveita e saboreie um bom café enquanto lê.

Era uma vez…

Era uma vez uma Web Designer muito competente que trabalhava em importante Agência de uma grande metrópole Brasileira. Seu nome era Joana. Sabe a mulher da foto abaixo com o olhar sedutor?

Como escrever conteúdos fantásticos para websitesObra adaptada – Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/File:KatrinaKaif.jpg – Este arquivo está licenciado sob a Creative Commons

Então. Mas o que importa agora é descrever Joana profissionalmente, rsrs.

Saiba que a habilidade que Joana possuía e ainda possui, para interpretar corretamente um briefing e transformar problemas em resultados de sucesso era notória. E ela também tinha um bom relacionamento com sua equipe que reunia, assim como ela, profissionais muito bem qualificados.

Nesta empresa em que trabalhava as funções eram bem segmentadas. Cada colaborador cuidava é era especialista em sua área.

O trabalho de Joana era de construir layouts que eram sempre elogiados por cumprirem sempre os objetivos de comunicação do projeto.

Ela manjava muito de Photoshop e Illustrator. Mas pensa que parava por aí? Lógico que ela ia um pouco além. Sabia até desenvolver usando HTML e CSS, e compreendia as necessidades dos desenvolvedores. Ela até acabará de aprender a mexer em um CMS para ficar mais independente.

E sabe por que ela se aventurava em outras áreas? Por que era enxerida?
Não! Por que ela tinha um sonho. Ela sonhava em se tornar Freelancer e trabalhar em um cantinho próprio, quiçá um dia ter sua própria agência.

Mas algo de ruim estava prestes a acontecer…

A essa altura imagino que você está se perguntando:

“– Mas que está história tem a ver com dicas para escrever conteúdos para sites?”. E eu te respondo: TUDO.

E te digo que se trata de um estratégia PODEROSA que te explicarei no decorrer do artigo em um tópico bônus. Te antecipo que ela irá potencializar seus conteúdos.

Mas agora vou dar uma pequena pausa na História de Joana para te passar a primeira dica deste artigo. Sigam-me os bons!

[DICA 1] Não vomite conteúdo de vendas e funcionalidades de produtos a esmo

O grande objetivo de uma empresa é obter lucros e por isso concluir vendas são metas a serem cumpridas.

Entretanto o grande problema de despejar conteúdos de vendas e entupi-los com as funcionalidades de um produto, que muita vezes nem entendemos, é que as pessoas não se conectam emocionalmente com o que é oferecido.

Lógico que você deve mostrar as funcionalidades dos produtos de seus clientes. Mas por que não mostrar primeiro que transformação estes trarão na vida das pessoas? Por que não mostrar os resultados que eles podem proporcionar?

conteúdo de vendas

Você já percebeu que na maioria das lojas virtuais no Brasil o conteúdo não algo é considerado estratégico? Você até acaba efetuando uma compra por causa do preço ou desconto em comparação com outra loja, e mais nada.

Cadê a fidelização? Não há. Tudo porque não existe uma identificação por parte de nós, clientes, com nenhuma delas. Não existe um relacionamento.

A grande maioria das lojas não fornecem informações de interesse do público, blogs, ou fóruns. E as descrições dos produtos são quase as mesmas entre todas as concorrentes.

E grande parte dos fornecedores estão mais preocupados em mostrar que seu produto é arrojado e outros adjetivos para se contrapor ao concorrente. Mas o que isso vai mudar positivamente a vida do usuário?

Então,  como dica  para acabar com esta mesmice, potencialize seu conteúdo mesclando argumentos lógicos, com elementos emocionais e persuasivos. Relacione no conteúdo benefícios atraentes ao produto ou serviço.

Um bom exemplo encontrado no livro “A Startup de $100” de Chris Guillebeau, é de um importador Inglês de comida Espanhola.

Ele poderia apresentar o seu produto ao público sendo tão somente de uma empresa que importa comida da Espanha, o  que seria um desperdício do ponto de vista de marketing, mas ele preferiu atender seu público alvo criativamente ao relacionar seu produto a um benefício emocional. Veja como acertadamente ele promoveu seu negócio:

“Viva España! Celebre o estilo de vida Mediterrâneo sem precisar sair de casa”.

Bom prosseguindo com a Joana, no último capítulo algo de ruim estava para acontecer.
O que seria?

…e o pior aconteceu. Mesmo Joana sendo uma ótima profissional, um belo péssimo dia, ela recebeu a noticia (aquela velha história) que é provável que alguns de vocês até já conheça bem:

“– Então Joana. Nossa empresa está passando por uma reformulação. Você tem sido um boa empregada, mas nós simplesmente temos que cortar pessoal.”

demitido

De início foi um baque. Mas Joana é guerreira e não se abateu facilmente. Mesmo achando não ser o momento decidiu antecipar o plano de se tornar uma Freelancer. Agora além de uma boa rede de contatos, que ela possuía para conseguir alguns Jobs, ela tinha tempo para empreitar.

E não demorou muito Joana já conseguiu um primeiro trabalho como Freelancer. Sua primeira missão era construir um website para uma empresa de pequeno porte. E especialmente este ela desejou criar tudo sozinha, desde a prototipagem até a adaptação para os últimos detalhes antes de ir ao ar.

Mas daí surgiu a segunda rasteira nos planos de Joana.

Apesar de se aventurar por outras áreas ela não dominava tudo. E este primeiro cliente não ofereceria conteúdo para o site. Ou ela teria que construí-lo ou teria que contratar alguém para isso.

Joana sabia se comunicar bem com formas e cores. Escrever não era algo que ela dominava. Não porque ela não gostava. Só faltava prática. Ela sempre recebeu os conteúdos prontos.

De início bateu uma frustração. Depois surgiu a ideia de contratar um redator, o que solucionaria o problema naquele momento, mas aí ela pensou que esta seria uma solução. Entretanto, nem sempre o orçamento caberia esta opção. E como pretendia muito fazer este primeiro trabalho sozinha decidiu encarar o desafio e saiu a pesquisar sobre técnicas para construção de conteúdo na web.

Resultante deste seu estudo ela chegou a conclusões importantes que você verá na segunda dica (Anote pois é importante).

[DICA 2] Vá muito além de que uma simples redação

Para fornecer um conteúdo rico para seu público você pode adotar diferentes tipos de formatos, linguagens e elementos atrativos. Esta lista abaixo fornece informações suficientes para você elaborar um conteúdo atraente. Veja:

  • Preocupe-se com formas de gerenciar toda informação digital do website, com técnicas de Webwriting.
    Estas técnicas não se resumem a simples redações online. Elas englobam todo tipo de informação seja em textos, imagens, vídeo, entre outras, visando transmitir objetividade, relevância e credibilidade;
  • Todo o conteúdo deverá ser focado no seu público-alvo;
  • O tipo de linguagem usada deverá ser adequada ao público de forma que ele compreenda;
  • Será eficiente se usar chamadas, títulos atraentes e autoexplicativos para capturar a atenção do usuário rapidamente;
  • Você poderá enriquecer as principais chamadas com fotos, ícones ou ilustrações;
  • As chamadas a ação devem oferecer benefícios aos usuários;

Mais ainda pairavam dúvidas na mente de Joana…

Nossa heroína já estava com o Briefing respondido na mão, já conhecia o público alvo e com estas informações sobre construção de conteúdos estava quase pronta para desenvolvê-lo.

Mas ela pensou: “– Como faço para organizar e classificar o conteúdo?

[DICA 3] Organize seu conteúdo através de mapas mentais

O mapa mental é uma técnica de organização do pensamento através de diagramas usada para hierarquizar as informações. Ela auxilia na organização de ideias e assuntos.

Você pode utilizar papel e canetas coloridas para construir um mapa. Existem também softwares que auxiliam na tarefa.

O método consiste em reunir graficamente os assuntos relacionados a um tema central. Daí, com ajuda do nosso cérebro, fazemos conexões entre tópicos e ideias relacionadas ao tema central.

Como podemos ver no gráfico abaixo criado pela Joana. Aqui temos o tema central:

Tema central do mapa

Agora o mapa completo com a classificação do conteúdo (Clique na imagem para ver ampliado):

Mapa mental

Para construir seu mapa Joana usou um software online bacana chamado Mindmeister. Com ele é possível criar mapas incríveis de forma prática, organizada e rápida. Saiba mais sobre como organizar ideias neste artigo do David Arty.

[DICA 4] Arquitete semanticamente o conteúdo do seu site

Não é uma das coisas mais fáceis. Ainda mais quando você usa um gerenciador de conteúdo em que os templates não possuem código semântico. Lógico que tudo pode ser alterado, mas isso é assunto para outro artigo. Mais a frente o “Chief” disponibilizará artigos sobre HTML o que facilitará mais o entendimento.
web semântica

Entretanto se você tem um conhecimento mais avançado sobre esta linguagem é indicado marcar o conteúdo de forma que as máquinas possam compreender o contexto de cada de informação. E como fazer isso? Atribuindo tag de significado correspondente ao bloco de conteúdo. Segue exemplo:

<h1>Este é o título mais importante desta página!</h1>

Quando você define corretamente o título mais importante da página dentro da etiqueta HTML h1 as máquinas ainda não podem compreender o significado do que está escrito, mas certamente identificarão que se trata de um título.

E você nem imagina o quanto escrever um código semanticamente pode influenciar positivamente no ranqueamento nos buscadores.

Para saber mais sobre Web Semântica indico este excelente artigo: Semântica, padrões e o que você tem a ver com isto.

[DICA 5] Desenvolva um conteúdo de texto para otimização de sites

Você até pode aprender sobre SEO (otimização de sites para os motores de busca) com intuito de ajudar suas páginas a se posicionem melhor nos resultados orgânicos. Mas algo é fato:

De nada adiantará sacrificar seu conteúdo escrevendo somente para robôs, visando posicionar bem suas páginas nos buscadores, se o seu texto não atingir as expectativas de seu público.

Ainda mais que os algoritmos do Google e do Bing estão em constantes mudanças e qualquer forma radical de tentar manipular os resultados poderá ser inútil.

Pode ter certeza que seguindo as dicas anteriores você está contribuindo para uma boa otimização do seu site. É importante escrever conteúdo para humanos. Eles podem viralizar e os buscadores irão perceber a relevância que eles possuem.

Mas o que você pode fazer é, mesmo sem ser um especialista, preencher seu conteúdo de palavras chaves com parcimônia. Palavras chaves são palavras planejadas para serem encontráveis pelos motores de busca. Por exemplo:

Você quer otimizar uma página de um cliente que descreve conteúdo sobre celulares importados. A palavra-chave em questão é o termo “celulares importados”.

Então você pode inserir esta palavra-chave e até outras variações como: smartphones importados, no título da página, no corpo do texto, no atributo “alt” de imagens, etc. Isso deve ser feito sem atrapalhar o compreensão do conteúdo pelo usuário.

[DICA 6] Empregue usabilidade, boa legibilidade e leiturabilidade em seus conteúdos

O conteúdo além de exemplar deve ser também bem apresentado e acessível. Cada informação deve estar disposta pautando-se em prioridades, bem identificada e facilmente encontrada durante a navegação.

A preocupação com a usabilidade deve ser constante para facilitar a interação do usuário com o conteúdo. A forma que você estiliza o conteúdo pode fazer a diferença nesta hora.

Você deve garantir a legibilidade do seu conteúdo se preocupando com a facilidade de identificação dos caracteres.

Por tanto, se possível, evite:

  • Tipografias com caracteres de difícil identificação;
  • Estilos que tornam a identificação complexa.

No texto da figura abaixo você pode perceber que letras como “a”, “o” e “g” são de difícil identificação.

Tipografia de baixa legibilidade

Outro ponto é garantir a leiturabilidade, que consiste em não dificultar a leitura dos textos tornando-a agradável e funcional. Então, se possível, evite:

  • Contrastes ruins entre a cor do texto e seu plano de fundo;
  • Texto justificado em blocos de conteúdos muitos largos;
  • Má diagramação;
  • Tamanho inadequado da fonte;
  • Kerning e tracking manuais exagerados.

Tente ler o texto abaixo:

Exemplo de texto de baixa leiturabilidade.

Me diga. Achou fácil?

Enquanto isso. Como Joana está se saindo?

Falando em Usabilidade, buscadores, SEO e Semântica, estes são assuntos que a Joana, nossa heroína, domina desde os tempos de seu antigo emprego. Acho que a história dela esta partindo para um final próspero.

E como prometido vou revelar agora a estratégia Poderosa de bônus que me levou descrever a história de Joana. Vamos conferir?

[DICA BÔNUS] Conheça o método da jornada do herói

Antes de chegar no nosso infográfico quero explicar que durante uma boa parte deste artigo usei uma técnica narrativa bastante usada na publicidade e hoje em dia no marketing digital chamada de Storytelling, cujo objetivo é contar Histórias.

Se trata de uma estratégia poderosa para envolver emocionalmente o público alvo, principalmente quando se procura identificar com suas perspectivas, seu cotidiano e com sua própria experiencia de vida. (Fica mais poderosa se usada em vídeos).

Narrando a história da Joana eu utilizei um método do Storytelling denominado a Jornada do Herói. E aproveitei para apresentar no contexto desta narrativa outras técnicas que podem auxiliar-te na construção de conteúdo para web.

Storytelling

Com isso, enquanto você conta uma História você pode também resolver um problema do seu público alvo ou atraí-lo para uma chamada de ação. Neste artigo, usei para sanar possíveis dúvidas sobre criação de conteúdo dos leitores deste blog. E como diria David Arty: Compreendestes amigo Galucho?

E então você me indaga:

“– Ah, então você está me mostrando que eu posso inserir histórias em meu conteúdo?”

Exatamente! Por que é uma forma de você (sua empresa, ou seu cliente) demonstrar seus pontos de vista procurando se posicionar como o melhor naquilo que se pretende fazer.

Mas uma observação importante:  O uso do Storytelling aplicado ao marketing de um cliente deve condizer com a realidade histórica de sua empresa ou produto. Não ludibrie os consumidores! Esclareço que Joana apresentada neste artigo é apenas uma mera personagem fictícia que utilizo agora para exemplificar este conceito como se fosse uma história de vida real.

O Storytelling pode criar uma relação de proximidade entre a empresa e o consumidor quando a narrativa transmite uma história única de um produto, de um serviço ou da própria empresa.

E uma História será percebida como ótima quando além de fixar na memória trazer benefícios para a vida do consumidor.

A partir daí as pessoas ficam mais abertas a recomendações de produtos e serviços que o site oferece.

As pessoas gostam de boas histórias. Ainda mais de heróis. Geralmente os heróis em suas jornadas estão seguindo suas vidas normalmente. Eles têm sonhos, assim como nossa Heroína Joana., entretanto em algum determinado momento algo de ruim acontece e mudam suas vidas. Mas como todo bom herói eles dão uma virada na situação e vencem.

É um caminho à percorrer, de A para B. O herói saiu do ponto A, sofre, mas avança. Sai da zona de conforto, enfrenta as dificuldades e só chega no ponto B ao vencer os obstáculos.

Você deve ter visto isso em algum lugar, não é? No cinema?

[DICA 7] Infográfico: Seis sugestões para deixar seus textos mais atraentes

Agora o Chief of Design deixa a dica 7. Na verdade é infográfico com uma compilação de dicas extras sobre construção de conteúdo.

Quer uma versão em alta qualidade desse infográfico? Clique então na imagem abaixo:

infográfico sugestões para deixar seus textos mais atraentes

» Que tal colocar este Infográfico no seu site? (Copie e Cole o código HTML)

Conclusão da História de Joana

E quanto a Joana? Será que ela conseguiu o que queria?

É cedo para falar se ela terá sucesso como Freelancer. Mas garra ela tem. E uma coisa é certa. Ela não desistiu ao se deparar com os perrengues.

Depois que ela construiu o mapa mental, organizou os próximos passos e seguiu a risca as outras dicas, ela se superou, construiu todo conteúdo do site, entregou o projeto no prazo e como sempre foi elogiada.

Já até está ocupada com outros trabalhos. Eu também elogio pois ela colaborou bastante com sua pesquisa na dica número 2.

Conclusão Final

Não é de primeira que conseguiremos construir conteúdos fantásticos. Isso requer prática. Existem também outras formas para construir conteúdos para web. O importante é você se atentar que além do design do layout, o conteúdo que ele transmiti também pode influência no sucesso ou fracasso do projeto.

Você pode compartilhar aqui na seção de comentários se conhece alguma. Fique à vontade!

E se caso você se encontre ou já passou por uma situação parecida com a da Joana ficaremos felizes se deixar seu depoimento. Conte sua História!

Se você gostou da história da nossa personagem e dos conceitos passados neste artigo compartilhe com seus amigos.

Abraços!

Referências:

A Startup de $100. Abra o Negócio Dos Seus Sonhos e Reinvente Sua Forma de Ganhar A Vida – Chris Guillebeau

Semântica, padrões e o que você tem a ver com isto – Dani Guerrato, Tableless – http://tableless.com.br/semantica-padroes-e-o-que-voce-tem-a-ver-com-isto/

Entrevista com Ilan Brenman “A arte de contar histórias no mundo corporativo” – HSMInspiringIdeas (Canal do Youtube) – https://www.youtube.com/watch?v=f0VMw7F0yNo

Produto ou Resultado: em qual focar? – Érico Rocha, Ignição Digital – http://www.ignicaodigital.com.br/produto-ou-resultado-em-qual-focar/

Ed Francisco

Olá! Sou o , Colaborador do Blog Chief of Design. Formado em Tecnologia da Produção pela Fatec e Técnico em Produção Digital, Web e Multimídia pelo Senac. Apaixonado por Empreendedorismo Digital e Ciências Cognitivas.