Criação de Imagens – Como se comunicar através das imagens

Aprenda conceitos importantes para você usar na elaboração de imagens.

cao

Eae! Td bele?

No artigo dessa semana venho falar sobre criação de imagens.

A gente que trabalha com comunicação vive compondo imagens.

Eu mesmo crio várias quase que diariamente: para infográficos, imagens para posts no facebook, para os posts do blog, para comunicação interna, para promoção de produtos, backgrounds de sites, banners,etc,etc…

Criar imagens para nós, que trabalhamos com design e comunicação, é algo corriqueiro, mas não é por isso que devemos sair por aí criando sem lógica, sem objetos traçados, sem metodologia e fazendo somente o que vier na cabeça.

Saber alguns conceitos, antes de sair criando, pode ajudar, e por muitas vezes acelerar, o nosso processo criativo e também da produção da imagem.

Então nesse artigo veremos alguns, dos inúmeros, tópicos importantes para a criação de imagens.

Vamos lá?

Neste artigo você verá a importância de saber sobre:

#Qual mídia iremos usar?

Impresso ou Digital

A primeira coisa que devemos saber é: qual (ou quais) mídia será publicada a nossa imagem: será no impresso ou digital?

Você já deve saber que existem várias diferenças entre elas, certo?

Precisamos dessa informação para sabermos com qual sistema de cor iremos usar (CMKY ou RGB. Para saber mais clique aqui.), se precisaremos de imagens em alta resolução (normalmente para impressão), ou em média e baixa resolução(normalmente usada para a web), e etc.

A gente precisa conhecer em qual mídia será veiculado nossa imagem para saber quais possibilidades e quais limitações teremos.

#Finalidade, Objetivo , Assunto?

Cheque o assunto
Uma coisa que deve estar clara é a finalidade da imagem. Portanto devemos saber o porquê estamos criando. Você deve-se se perguntar: a imagem que vou criar é para que?

É para promover um produto?

É uma capa de disco?

É um banner para ficar na lateral de um site?

É um catálogo de moda?

É editorial?

Depois devemos pensar em quem verá aquela imagem, para quem é destinado aquilo que estamos criando, ou seja, o público alvo. Devemos saber como se comunicar com o público em questão mesmo que a gente use apenas imagens e nada de texto.

Então, vamos nos perguntar:

Para quem estamos criando?

Quem verá a nossa imagem?

É o público infantil?

É para donas de casa?

É para o público adulto?

Baseado nas respostas que obtivemos podemos decidir por qual trilha seguir.

#O que usar? E onde conseguir a imagem que escolhi?

ilustração ou fotografia
Depois de definir o objetivo você tem que pensar em qual imagem vai usar:

É uma ilustração ou uma fotografia? Ou dois juntos?

Dependendo da peça a ser criada e do custo dela você tem várias opções para conseguir a imagem perfeita para a sua arte. Você pode conseguir a imagem adequada em bancos de imagens, contratando um ilustrador, através de um fotógrafo ou até mesmo criando por conta própria, dependendo da sua habilidade, claro.

Aqui basicamente o que vai decidir é: tempo, dinheiro, sua habilidade e disposição.

#Narrativa da imagem

Uma imagem pode passar um significado emocional, conceitual e até verbal (mesmo que não tenha texto algum nela.)

A imagem pode até transmitir significados que não estão representados ali literalmente.

Por isso podemos, e devemos, pensar na imagem como uma transmissora de ideias e significados. Ela pode passar mensagens de diversas formas, como por exemplo, através de metáforas, analogias, paradigmas, metonímia, redundância, etc.

Como diz o velho ditado: uma imagem vale por mais de mil palavras.

Errar na narrativa da imagem pode comprometer toda a criação e sucesso da sua publicação.

#Enquadramento: Orientação, Planos e Ângulos

Enquadramento é o posicionamento dos elementos. É algo usado em praticamente tudo que trata com imagens: fotografia, cinema, animação e, claro, composição de imagens.

Assim como um enquadramento perfeito pode render uma cena de filme espetacular um enquadramento incorreto pode acabar com a mensagem que sua imagem deveria passar.

Vamos ver os elementos que compõem um enquadramento? :)

Orientação da imagem:

Dependendo da mídia a ser usada saberemos o tamanho e o espaço que teremos a disposição.

Com isso em mãos podemos definir como usar o espaço que temos. E aí entra a orientação.

A orientação da imagem vai definir o uso do espaço que possuímos para criação. Caso não possua limitações técnicas o que vai definir a orientação será a mensagem que a imagem deverá passar e/ou aquilo que queremos mostrar com ela.

Existem dois tipos de enquadramentos:

Horizontal (landscape).

E Vertical (portrait).

img-04

Escolher a orientação correta é importante, pois pode influenciar diretamente na mensagem que a imagem irá passar. Por exemplo:

Dependendo da imagem o enquadramento na horizontal pode passar uma mensagem de calma, serennidade, enquanto que na vertical pode passar uma mensagem mais forte, imponente e por aí vai.

Planos:

Plano é o principal elemento para um enquadramento. Definir o plano é definir a distância entre a câmera (ou o olhar) entre o objeto que está sendo fotografado (ou observado).

É o espaço que selecionamos e recortamos. O plano vai determinar a forma como o assunto será posicionado na imagem.

Você pode compor a imagem em planos:

Plano Geral:

Mostra a cena de uma forma ampla, aberta, como um todo, apresentando tanto o cenário inteiro quanto os objetos e/ou personagens dentro dele.img-05

Plano Inteiro:

Mostra a pessoa por inteiro, dos pés à cabeça.Plano Inteiro

Plano Americano:

Mostra a pessoa a partir do joelho, ou se preferir, ¾ do corpo da pessoa.

Plano Americano

Plano Médio:

Mostra a pessoa a partir da cintura.Plano Médio

Primeiríssimo e Primeiro plano:

Nesse plano o objetivo é enquadrar a parte mais importante da cena.

No primeiro plano usualmente “recortamos” a partir dos ombros da pessoa:Primeiro Plano

E no primeiríssimo somente o rosto da pessoa:img-10

Close:

Foca em um detalhe em especial da imagem.Close

Ângulos:

Ângulo normal:

Quando o ângulo está no “nível dos olhos” da pessoa fotografada.Ângulo Normal

Picado (contra PLONGÉE):

No ângulo picado temos a câmera situada por cima.

Esse ângulo pode ser de uma tomada aérea ou ser reproduzido para criar um efeito de inferiorização para reduzir o tamanho daquilo que se vê.img-13

Contra Picado (contra PLONGÉE):

No contra picado temos a câmera situada por baixo.

Ao contrário do anterior esse efeito aumenta o tamanho daquilo que se vê, logo produz um efeito de poder, de superioridade.img-14

#Luz e Sombra

Luz e sombra são elementos muito importantes desde a pintura até a fotografia e cinema, e por isso não seria diferente para você que está mexendo com imagens. Com luz e sombra conseguimos transformar um desenho em duas dimensões (2D) em três dimensões 3D.

Com mais luz ou menos luz, com mais sombra ou menos sombra conseguimos dramatizar uma cena, aumentar o contraste, direcionar o visão e até criar texturas.

Luz e sombra são partes importantes de uma imagem. E nosso amigo Caravaggiano sabia muito bem disso, né? :P

caravaggio_sao_mateus

#Foco e Desfoque

Foco é nitidez. Quanto maior o foco, mais nitidez, e quanto menor, menos nitidez. Podemos usar efeito de foco para evidenciar a parte mais importante imagem.

Por exemplo, em um retrato podemos desfocar em volta e todo o fundo da imagem para evidenciar mais importante que seria a pessoa no retrato. Também  podemos desfocar totalmente o fundo para passar a ideia de velocidade.

img-17

#Cor

Cor é algo fundamental em qualquer peça a ser criada. A cor a ser usada na peça é influenciada diretamente pelo tema da peça e por consequência, claro, também pelo público alvo.

Se você quer algo mais agressivo você irá usar tons de vermelho e cores quentes. Agora, se ao contrário você quer passar a sensação de paz, calmaria, irá usar branco e cores menos vibrantes.

Para saber mais sobre cores você pode conferir o meu artigo sobre cores clicando aqui.

Cor

#Contraste

O contraste é um poderoso elemento no design e na criação de imagens, não seria diferente.

Pode-se conseguir contraste de várias maneiras: pela cor, movimento, luz e sombra, proporção, etc.

O mais importante sobre contraste é saber que ele vem para quebrar o ritmo, para estimular, para chamar atenção, para quebrar a monotonia, para desequilibrar.

Então se você deseja alguma dessas coisas, deve usá-lo.

#Movimento

Por vezes você precisa passar a sensação de movimento em uma imagem e você pode conseguir isso através de efeitos como desfoque, seja na sua câmera fotográfica DSLR ou até mesmo no Photoshop.

Mas também conseguimos movimento através das linhas das imagens. Linhas que a própria imagem nos cede. Essas linhas podem ser horizontais, verticais, oblíqueas e curvas.

Vamos conferir?

Linhas horizontais:

Essas linhas normalmente passam a sensação de estabilidade, de tranquilidade, de monotonia.

Na imagem abaixo fica claro a linha do horizonte.
Linha Horizontal

Linhas verticais:

Já as verticais, que podem apontar pra cima ou para baixo, passam a sensação de crescimento, de algo grandioso. Repare nas linhas que os troncos de árvores formaram.Linhas verticais

Linhas oblíquas (diagonais):

Essas linhas passam a sensação de movimento e velocidade. Esse “bondinho” está descendo ou subindo? Bom..Aí depende da sua interpretação.Mas parado é que não está.
Linhas oblíquas

Linhas Curvas:

Remetem a sensações de beleza, graça e suavidade.Linhas oblíquas

Perspectiva:

Com as linhas e mais um ponto de fuga conseguimos a perspectiva.

Ponto de fuga é a convergências das linhas.

Podemos com ela, por exemplo, passar a direção para qual queremos apontar (ir ou voltar) e também conseguir um efeito 3D.Perspectiva Perspectiva

#Simplicidade

Criar imagens com “somente o necessário”, de forma organizada, simples, de fácil assimilação e entendimento. Isso é simplicidade.

Ser econômico, focar na clareza e simplicidade. Usar técnicas minimalista também pode ser uma perfil a se seguir.

Simplicidade não significa somente que não deva usar efeitos, significa que pode usá-los, se quiser, mas com parcimônia e coerência.Simplicidade

Conclusão

Galucho, tem muita coisa a se falar sobre composição de imagens.

É um assunto um pouco volumoso. Tem coisas para saber que vão desde o estudo da arte até criação de grids.

São bastante coisas para estudar, né?  Eu sei. :)  Mas estude e evolua aos poucos. Talvez muitas das coisas que falei aqui quiça você já até faça no dia a dia e em questão de minutos, mas não se dá conta, saka?

Então apesar de muito estudo, o monstro não é tão grande assim quanto pode parecer. :)

E não é nada impossível ser criativo e criar imagens que realmente alcancem seus objetivos de comunicação. Isso não é exclusivo somente para alguém “tem talento”. É só ter um olhar aguçado e boas ideias na cabeça que todos podem conseguir criar boas imagens e composições.

E não ligue caso as suas primeiras criações não fiquem “top”. Aos poucos você vai melhorando.

Uma dica que dou é ler o livro Gestalt do Objeto do João Gomes Livro. Esse livro é muito bom e eu usei-o para criar esse artigo.

Você pode conferir um pouco do livro aqui: http://www.joaogomes.com.br/8%20-%202011%20CATEGORIAS%20CONCEITUAL.pdf

Se mantenha atualizado, se inspire com trabalhos dos artistas de hoje e de ontem, procure observar com outros olhos as coisas cotidianas, tente pensar diferente e CRIE!

Criar é um ótimo exercício. Exercite-se!

Até mais.

Forte braço.

Referências:

Livro Gestalt do Objeto – João Gomes Filho.

Imagens retiradas dos sites:

https://unsplash.com/

http://zoomwalls.com/

http://pt.wikipedia.org/

http://picjumbo.com/

http://thecavenderdiary.com/

David Arty

Olá. Sou David Arty, fundador do blog Chief of Design.
Sou natural de São Paulo, Brasil. Trabalho com design, principalmente com design para web, desde 2009. Procuro transformar ideias loucas e complexas em peças simples, atrativas e funcionais.

  • Leonardo França

    Linguagem simples e bem direto ao assunto, perfeito!

    • Olá Leonardo.

      Muito Obrigado pelos elogios!

      Forte abraço :)

  • ☠ Cap’n Gab ☠

    Show, David! Você teria mais alguns livros de referências para composição de imagens? Tks =) !

    • Agora não me vem nada mente. :/

      Eu usei o Livro Gestalt do Objeto e conhecimentos empíricos.

      Mas quase tudo que está aí é referente a fotografia, então um livro sobre conceitos de fotografia , composição fotográfica, etc; creio que ajudaria também.

      Abrs!